domingo, 5 de outubro de 2008

I.

Hoje, em homenagem a ti, saí do meu quarto escuro e cheio de lembranças. E cheio de lembranças fui para a loja de perfumes mais próxima, reavivá-las. Procurava por teu cheiro engarrafado em álcool, fixador e alguma mistura sublime de fragrâncias. Sabes muito bem que sempre fui muito ligado ao sensorial e meu olfato emenda as mais lindas ou obscuras sinápses de lembranças. Aquelas que esquecemos inconscientemente pelo simples fato da emoção ser tão grande que pode chegar a causar traumas.
Você foi um trauma.
Assim que encontrei o que queria, me vi criando um hábito. Já havia estado naquele mesmo local, em frente a mesma estante, olhando com uma mescla de sentimentos para o frasco meio vazio de pedaços de você.
Sempre hesitante borrifo um pouco no peito da mão esquerda e milhões de pequenos fragmentos momentos beijos gozos brigas silêncios e limões se espalham pela atmosfera impessoal da loja e impregnam-se na minha pele. Aí, sacudo levemente a mão, suspendendo você pelo ar, suspendendo o momento de te inalar e por alguns instantes (longos instantes) ser nocauteado por turbilhões de sentimentos subjetivos, celestiais, aquelas sensações que roubam o seu estômago e nao deixam vestígios de palavras na altura da boca. Me faltam palavras na boca.
De cinco em cinco minutos visito o seu corpo, percorro a vastidão do seu peito e chego ao pé dos vales sensíveis do seu pescoço, onde riachos deste cheiro transbordam, devastando-me e deixando marcas permanentes de você.
É engraçado o único resquício de intimidade com você ser este cheiro que chega ao fim. Não acredito que já te conheci tão bem a ponto de acreditar.

2 comentários:

Aquela 'par', que virou ímpar. disse...

também não acredito como tudo isso acontece.

cássia guerra disse...

Andrei, todos teu textos me deixam perplexa, mas este em especial tocou a minha alma e por alguns instantes tive a sensação de que para sempre ela ficaria petrificada em surpresa de como tu expressa bem teus sentimentos e como me sinto atraída por eles. Por eles e por suas palavras, permita-me dizer.
Lindo.

E pode deixar, amanhã estarei exuberante para posar para tuas lentes.