quinta-feira, 27 de março de 2008

Vagamente Profissionais

Há profissionais para absolutamente tudo, hoje. A cada momento criam-se novas e específicas subdivisões para a atuação profissional. Paradoxalmente, mas nem tanto, existem os profissionais sobre tudo. Estes se dividem entre jornalistas, advogados, críticos, políticos, diplomatas e até médicos, passando por outras profissões de base. Base esta, para a específica especialização geral.

Suas opiniões são vastas, mas tão superificiais que em alguns momentos pode-se até sentir o ar de irracionalidade, de discuro ensaiado. Jornalistas e políticos conseguem notas excepcionalmente altas nestas cadeiras.
O problema nisso? Absolutamente nenhum, desde que se tenha a humildade de aprender, não ter a vergonha de perguntar e questionar, e ter tudo isso admitido de forma clara para si mesmo.

Certa vez, uma não tão velha jornalista, mas com nome consolidado por sua extrema dedicação, me confessou que para extrair o melhor de seus entrevistados, era preciso que deixasse claro para os mesmos sobre o seu nível de ignorância para com o assunto e que era preciso ouvir, principalmente, muito mais do que vir armada de perguntas pré-concebidas. A troca de conhecimentos em detrimento do questinamento.
Pois como já ensinava Paulo Freire "Ninguém ignora tudo. Ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa. Todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre."

Nenhum comentário: